Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Dom, 11/06/2017 às 10:05

A Múmia: a criação de mais um universo para o cinema

Daniel Bydlowski* l A TARDE SP

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+
  • Divulgação

    O ator Tom Cruise encarna o personagem Nick Morton, um moderno saqueador de artefatos - Foto: Divulgação

    O ator Tom Cruise encarna o personagem Nick Morton, um moderno saqueador de artefatos

Filmes de múmia não somente fizeram sucesso na história do cinema, mas tendem a retornar a cada tempo com um novo enfoque. A última produção do monstro, que ainda faz parte de nossas memorias, é aquele com o ator Brendan Fraser, no qual uma maldição faz com que um poderoso sacerdote, que havia sido punido por ter um caso amoroso com a mulher do faraó, acorda milhares de anos depois para assombrar o planeta terra.

Este filme foi dirigido por Stephen Sommers em 1999 e trouxe o estilo e a estrutura de filmes de aventura no estilo de Indiana Jones para a múmia, algo que se mostrou uma escolha de sucesso da Universal Studios, e que contou com diversas sequências. O longa, que também inovou na criação de efeitos especiais espetaculares para a época foi, porém, baseado em um outro A Múmia, dirigido por Karl Freund em 1932.

Esta versão do monstro famoso, que também foi produzida pela Universal Studios, foca mais no gênero de horror. Porém, o grande sucesso deste antigo filme não foi somente o fato de que o monstro finalmente ganhou espaço na telona, mas principalmente desenvolveu um tipo de fórmula cinematográfica baseada em personagens amaldiçoados que é utilizada até hoje.

Isto não é diferente para a nova produção de A Múmia, dirigido por Alex Kurtzman e que traz Tom Cruise como personagem principal. Embora o longa traga muitas diferenças em relação às versões anteriores, o fato de ser produzido pela Universal Studios dá uma indicação de que é mais um remake, praticamente um centenário remake em um cinema imerso em muitos outros.

O filme atualiza a figura da múmia e o conceito de personagens amaldiçoados para os dias de hoje. Para começar, o monstro agora é uma mulher, ou mais precisamente uma princesa que havia sido enterrada no deserto e acorda milhares de anos depois para aterrorizar o mundo.

Mulher

O enfoque feminino vem na trilha da popularidade de muitos filmes atuais, como Mulher Maravilha, que tentam dar vida a estruturas de enredo antigas por meio de seus personagens.

Além disso, se a versão do filme de 1932 era voltada ao horror e a de 1999 tinha o gênero de aventura como enfoque, desta vez, A Múmia parece fazer parte de um universo comum no cinema atual: o universo dos super-heróis. Mesmo que o protagonista, Nick Morton, não tenha superpoderes, sendo um soldado que pilha artefatos antigos para ganhar dinheiro, o tipo de cinematografia, efeitos especiais e atuação imediatamente nos conecta com aqueles de super-heróis.

Isto não é coincidência. Depois do lucro de Os Vingadores, que trouxe heróis famosos e que já possuíam filmes, como Capitão América, Hulk e o Homem de Ferro, para o mesmo filme, grandes estúdios começaram a correr para obter o mesmo sucesso.

A Warner Brothers, com a D.C. Comics, já tem a Liga da Justiça em mente, que contará com Super-Homem, Mulher Maravilha e Batman. Agora é a vez da Universal de achar o seu nicho e o estúdio está apostando no que chamam de "Dark Universe", aquele universo que conta com o Drácula, Frankenstein e a múmia. Talvez o próximo passo para um cinema que vive de remakes seja a criação de mais e mais universos onde seus personagens tenham filmes próprios.

Serviço

O quê: A Múmia /  De Alex Kurtzman / Com Sofia Boutella, Tom Cruise, Russell Crowe

Onde: Cinemark, Cinépolis Bela vista e Salvador Norte, Itaú Glauber Rocha, UCI Orient Shoppings Barra, Paralela e da Bahia

Classificação: 12 anos

*Daniel Bydlowski é cineasta brasileiro com Masters of Fine Arts pela University of Southern California e doutorando na University of California, em Santa Barbara, nos EUA. É membro do Directors Guild of America. Trabalhou ao lado de nomes como Mark Jonathan Harris e Marsha Kinder. Atualmente produz NanoEden, primeiro longa em realidade virtual em 3D.


outras notícias

26/12/2016 às 20:20

'Minha Mãe É Uma Peça 2' tem segunda melhor estreia do cinema nacional em 2016 - Foto: Reprodução | TV UOL

'Minha Mãe É Uma Peça 2' tem segunda melhor estreia do cinema nacional em 2016

05/12/2016 às 16:50

'Sully' ganha nova data de estreia no Brasil - Foto: Divulgação

'Sully' ganha nova data de estreia no Brasil

17/11/2016 às 00:01

"Rifle" é o grande vencedor do XII Panorama Coisa de Cinema

03/11/2016 às 07:00

Filme resgata época de turbulência política e estética

Cinema Novo, vencedor do L’Oeil d’Or de melhor...

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias