Da Redação Seg , 19/08/2019 às 12:58 | Atualizado em: 19/08/2019 às 13:10

Dia Mundial da Fotografia: ensaio sobre o cotidiano das mulheres do Quilombo Kaonge



Uma forma de informar, eternizar um momento, contar uma história... este é o poder da fotografia que, além desses objetivos, consegue, a partir do olhar minucioso do fotógrafo, emocionar e provocar reflexões em quem admira suas imagens. E pensar que tudo isso só foi possível a partir do dia 19 de agosto de 1839, data em que se comemora o Dia Mundial da Fotografia.

A invenção traz as técnicas de luzes, ângulo, enquadramento, mas, para quem fotografa, a sensibilidade é algo sempre maior: “é o resultado de um relacionamento, do modo de escutar as pessoas”. É assim que o fotógrafo Gilucci Augusto enxerga o seu trabalho. E foi essa experiência que ele obteve produzindo sua dissertação de mestrado “A poética da imagem fotográfica a partir do imaginário das mulheres do Quilombo Kaonge”, para o programa de pós-graduação em Desenho, Cultura e Interatividade, na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Na dissertação, que defenderá nesta terça-feira (20), Gilucci conta uma parte da história, da cultura e do cotidiano do Quilombo Kaonge, localizado em Cachoeira, na Bahia, que exerce uma liderança importante na região da Bacia e Vale do Iguape. Através dos registros fotográficos, Gilucci retrata a história da matriarca do quilombo, Juvani Viana, que também é Ialorixá do terreiro de Umbanda ‘21 Aldeia de Mar e Terra’, e de toda família, além de indagar sobre como elas se percebem nas fotografias produzidas por ele.

O questionamento de como essas mulheres se veem nas fotos foi o ponto inicial para desenvolver a tese de mestrado, por conta da experiência vivida em uma viagem pela Bacia e Vale do Iguape, que é uma região quilombola situada no Recôncavo. “Fui presentear uma marisqueira, esposa de um amigo pescador e, ao ver a imagem, não gostou, repudiou. Era uma fotografia com a imagem dela mariscando dentro do mangue, com roupas de marisqueira. Quando cheguei no mestrado, comecei a pensar sobre isso: o que condena essa imagem? Tive essa ideia de fotografar essas mulheres e perguntar como enxergam a fotografia, o que elas gostam e não gostam”.

Na busca das respostas, Gilucci conheceu o Quilombo Kaonge. As fotografias produzidas têm um caráter documental etnográfico. “Tento compreender essas narrativas da mãe, da matriarca, das mulheres, seguindo o poético. E também como elas se veem na fotografia”, conta Gilucci, completando que, no caso no quilombo, as mulheres se sentem representadas. “Elas compreendem o cotidiano delas: catando caranguejo, cozinhando, amassando folhas para preparar o peixe, os rituais da religião, trabalhando. São imagens de afirmação da identidade delas, de mulher negra, quilombola e do todo o legado ancestral afrobrasileiro”.

 

Compreender as narrativas da mãe, da matriarca, das mulheres é uma das propostas do trabalho de caráter documental de Gilucci.
Compreender as narrativas da mãe, da matriarca, das mulheres é uma das propostas do trabalho de caráter documental de Gilucci.

Quem são as mulheres do Quilombo Kaonge nas fotos?

São mulheres negras quilombolas que valorizam a sua ancestralidade e constroem lutas, conhecimentos contribuindo para a sociedade brasileira. Uma delas é a administradora, Rosane Viana Jovelino, ativista Quilombola, membro do Conselho Quilombola da Bacia e Vale do Iguape e do Núcleo Produtivo de Ostra.

Para Rosane, a proposta de Gilucci para a pesquisa de mestrado foi muito importante. “Percebi que poderia ser uma oportunidade excelente e positiva de valorizar a nossa cultura, raça e identidade, enquanto mulher negra e quilombola. Inclusive de quebrar esse estereótipo imposto pela nossa sociedade e também o quanto poderia desconstruir essa posição de inferioridade que é conferida à população negra, à mulher negra de um modo geral”.

A ativista conta que a foto tem esse poder de revelar a força da mulher negra, dos saberes que movimentam o dia a dia da comunidade e da ancestralidade que marcou a história fortemente. “Foi algo que mexeu muito comigo, porque a gente vive um processo de muita luta contra o racismo que nos coloca na marginalidade e, portanto, impede de exercer os nossos direitos, além de também nos impedir de estar em um espaço de igual para igual. Então, a gente luta pelo direito à igualdade”, conta a filha da matriarca e Ialorixá, Juvani Viana.

Quando a fotografia falou mais alto que a gastronomia

E quem diria que Gilucci fosse se encantar pela fotografia. Ele nem sonhava que se sentiria tão atraído pela câmera e lentes, pois era cozinheiro profissional há 13 anos, com carreira consolidada em Buenos Aires e São Paulo.

A guinada da cozinha para o mundo das fotos começou com o desejo de escrever um livro sobre a história da gastronomia do Recôncavo Baiano. “Queria conhecer Cachoeira, Santo Amaro, São Félix, o Iguape, que não conhecia. O que tem em comum na região é a produção do dendê, da farinha de mandioca, mas a produção é diferente, então eu queria entender um pouco sobre essas especificidades”, conta o fotógrafo.

Porém, Gilucci não tinha como custear a viagem inteira e também o trabalho de um fotógrafo. Então, comprou uma câmara fotográfica, realizou o curso do Pronatec de Fotografia, fez um MBA em Comunicação e Semiótica e, atualmente, é mestrando bolsista da CAPES. Seu último trabalho fotográfico individual foi no ano passado, com a mostra “Corpus et Spiritus”, na galeria ACBEU. “Não cozinho mais, hoje só quero viver de fotografia”, resume, antecipando planos de realizar uma exposição e um livro sobre a serie fotográfica produzida no seu mestrado.