Da Redação Qui , 20/02/2020 às 10:32 | Atualizado em: 20/02/2020 às 10:42

Dez mil vagas são abertas para monitores do Programa Mais Estudo



O edital para mais dez mil vagas do Programa Mais Estudo foi aberto pela Secretaria da Educação do Estado (SEC) e divulgado no Diário Oficial, desta quinta-feira (20). O programa contemplará estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª a 4ª séries do Ensino Médio com uma bolsa de R$ 200, por mês, no período de março a maio, para que possam dar monitoria em Língua Portuguesa e Matemática aos colegas. A proposta é que os monitores contribuam para o processo de ensino e aprendizagem dos colegas. O investimento do governo estadual é de R$ 6 milhões nesta primeira etapa do programa para o ano letivo de 2020.

Para participar, além de estar regularmente matriculado, o estudante deve ter obtido média igual ou superior a oito na disciplina que pretende atuar como monitor. Além disso, as unidades escolares precisarão fazer a adesão ao programa, preenchendo um formulário disponibilizado no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br), mesmo site para que as escolas realizem a inscrição no período de 27 de fevereiro a 4 de março de 2020. Também caberá à escola a seleção dos estudantes, bem como mobilizar e registrar, em documento próprio, os professores e/ou articuladores que irão atuar como supervisores dos estudantes monitores.

“O Mais Estudo é um programa que me dá muito orgulho, uma corrente do bem pela educação. Ouvi da estudante Estefany Santos que, estudando para ensinar, se aprende mais. Eu acredito nisso e oriento os estudantes para que procurem a direção das escolas para se inscreverem”, declarou o governador Rui Costa.

O programa foi lançado em 2019, quando foram oferecidas dez mil vagas e destinados investimentos de R$ 10 milhões. As aulas acontecem no turno oposto ao qual os estudantes estão matriculados. Com a linguagem própria da juventude, os monitores ajudaram os colegas a desenvolverem seus conhecimentos e habilidades, tanto que já há registros de melhoria nas notas dos envolvidos e de redução da reprovação.

Os monitores são acompanhados por professores supervisores e coordenadores pedagógicos. A estudante Estefany Santos, 16 anos, foi uma das monitoras no ano passado, do Centro Estadual de Educação Profissional em Tecnologia da Informação e Comunicação (CEEPTIC), em Lauro de Freitas. Ela falou sobre o significado do projeto: “A valorização do estudante transforma a educação. Poder ajudar os nossos colegas, que são, na maioria, de baixa renda, é contribuir para mudar a realidade deles”.

A partilha de conhecimentos motiva a todos os envolvidos no Mais Estudo, como atestou Diego Souza, 16, que fez o 9º ano, em 2019, e foi monitor no Colégio Estadual Governador Otávio Mangabeira, no bairro de Saboeiro, em Salvador. “Este projeto é muito interessante, pois muitos estudantes podem aprender os assuntos de uma forma mais leve, porque nós temos a mesma linguagem e, por conta disso, eles se sentem mais próximos”.